Publicado por: Eliania Silva | quinta-feira maio 27, 2010

PREMATURIDADE

A prematuridade ocorre por diversas causas e o recém-nascido pré-termo merece atenção especial, assim como seus pais.

Mas quem pode ser considerado recém-nascido pré-termo (RN-PT)?

Não devemos confundir RN-PT com RN de baixo peso e RN de alto risco.

clip_image005

Segundo a O.M.S. prematuro é aquele que nasce antes do termo, ou seja, com idade gestacional inferior a 37 semanas (Calil, 2001).

Crianças de baixo peso são crianças que apesar de estarem na idade gestacional a termo, ou seja, de terem completado as 42 semanas de gestação, nascem com peso abaixo do esperado.

Criança de risco são bebês que se encontram mais vulneráveis a eventos mórbidos no período perinatal quando comparados a outros neonatos, inclui-se crianças nascidas antes de 37 semanas ou após 42 semanas; pesando menos de 2.500g ou mais de 4.000g, entre outros.

O prematuro pode ou não ser uma criança de risco, existem prematuros que nascem e logo recebem alta, e se desenvolvem normalmente, alcançando em pouco tempo o desenvolvimento neuropsicomotor igual ao das demais crianças.

Classificação do RNPR

O Recém-nascido pré-termo (RN-PT) pode ser classificado de acordo com a idade gestacional, com o peso de nascimento e ainda com a adequação do peso de nascimento à idade gestacional.

De acordo com a idade gestacional eles serão:

clip_image001 Prematuros moderado: idade gestacional entre 31 semanas e 36 semanas;

clip_image001[1] Prematuros extremos entre 24 e 30 semanas

clip_image001[2] Prematuro limítrofe com 36 e 38 semanas e peso superior a 2,500g porém com algum grau de imaturidade funcional(BENZECRY et al, apud ACIOLY)

Classificação de acordo com o peso de nascimento

clip_image001[3] Recém-nascido de muito baixo peso – inferior a 1.500g

clip_image001[4] Recém-nascido de muitíssimo baixo peso – inferior a 1000g

Classificação de acordo com idade gestacional

clip_image001[5] Adequado para a idade gestacional – AIG

clip_image001[6] Pequeno para a idade gestacional – PIG

clip_image001[7] Grande para a idade gestacional – GIG (4kg, 5kg), um exemplo são filhos de mães diabéticas, costumam nascer de cesárea devido o tamanho grande.

clip_image007

Os fatores de risco que podem contribuir para o parto prematuro podem ser:

clip_image001[8] Sócio demográfico: gestação na adolescência (mães com menos de 18 anos de idade), ausência de pré-natal, estado socioeconômico baixo, má nutrição, ausência de educação e abuso de drogas…

clip_image001[9] Maternos: história anterior de parto prematuro, doenças ou infecções não tratadas (como infecções do trato urinário ou das membranas amnióticas), múltiplas gestações, doença crônica…

clip_image001[10] clip_image003Obstétricos: anormalidades do útero ou incompetência cervical, antecedentes de ruptura prematura das membranas ou placenta, trauma…

Classificação da causa da prematuridade

A prematuridade é classificada em duas categorias:

1. Espontânea, conseqüência do trabalho de parto espontâneo propriamente dito ou da rotura prematura de membranas,

2. Eletiva, quando ocorre por indicação médica, decorrente de intercorrências maternas e/ou fetais.

Incidências de prematuros

Segundo o Ministério da Saúde a ocorrência de nascimentos de bebês prematuros no Brasil cresceu 27% entre os anos de 1997 e 2006. Segundo o levantamento realizado, a quantidade de casos aumentou de 153.333 nascimentos prematuros para 194.783, o que representaria uma progressão de 5,3 para 6,7% do total de nascimentos no país. E acredita-se que o número real seja muito maior, uma vez que ocorre grande taxa de subnotificação, principalmente nos estados do Norte e no Nordeste, onde mais crianças nascem em casa, e muitas mulheres nem mesmo fazem acompanhamento pré-natal (ARRAYA).

Principais intercorrências clínicas do RNPT na UTI

As intercorrências clínicas mais freqüentes nos bebês prematuros ou de alto risco são: instabilidade térmica (o RNPT tem dificuldade em manter a temperatura do corpo podendo ficar oscilando entre uma temperatura alta – hipertermia, e uma baixa temperatura – hipotermia, o que dificulta no ganho do peso), insuficiência respiratória devido a imaturidade do pulmão, crises de apnéia (interrupção dos movimentos respiratórios por 20 segundo ou mais), hemorragia intracraniana, infecções adquiridas, anemia da prematuridade, entre outras.

Cuidados com o RNPT na UTI

Alguns cuidados serão necessários para admissão do bebê prematuro na UTI neonatal: o bebê deverá ser conduzido em incubadora de transporte para o setor de alto risco onde será transferido para outra incubadora previamente aquecida, é preciso que se tenha pessoal treinado, unidade que disponha de materiais e equipamentos adequados.

Critérios para Alta do bebê da UTI

Os principais critérios para a alta do bebê prematuro do hospital são: mãe segura e bem orientada, familiares conscientes quanto ao cuidado domiciliar da criança, mãe psicologicamente motivada para dar continuidade ao trabalho iniciado na maternidade, peso mínimo de 1.500g, criança com sucção exclusiva ao peito e ganho de peso adequado nos três dias que antecederem a alta (Ministério da Saúde, 2000). Apesar da recomendação do MS, a realidade é bem diferente da teoria e o peso mínimo que costuma ser usado para dar alta a um prematuro é de 2.000g.

A criança prematura costuma apresentar um atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, por isso precisará fazer um acompanhamento após a alta do hospital. Ela será acompanhada por uma equipe multiprofissional que inclui o terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, fisioterapeuta, o médico neurologista e outros profissionais específicos para cada caso.

O terapeuta ocupacional inicia o acompanhamento ao bebê prematuro na UTI e segue até ao Follow-up (mais detalhes ver postagem sobre follow-up).

Na UTI o terapeuta ocupacional realizará:

· Avaliação do recém-nascido para detecção de possíveis distúrbios sensoriomotores;

· Posicionamento adequado para evitar algumas complicações como contraturas, padrões patológicos…

· Confecção do ninho para o melhor posicionamento do bebê;

· Mudanças de decúbitos para evitar escaras, por exemplo;

· Estimulo tátil;

· Mobilizações articulares leves;

· Estimulação sensorial: visual e auditiva (a partir da 40º semana);

· Banho humanizado: na cuba, banheira ou ofurô;

· Humanização do ambiente;

Orientação aos pais: Orientar e treinar quanto ao manuseio: alimentação, dar banho, transportar, estimular e proteger o bebê.

A sobrevida de RN-PT tem aumentado cada vez mais, e tem sido possível perceber que ao longo dos anos há uma redução da incidência de seqüelas neurológicas e intelectuais, porém torna-se indispensável o trabalho de uma equipe multiprofissional em parceria com os pais e familiares para um acompanhamento adequado a esse bebê, o que lhes proporcionará uma vida o mais independente e funcional possível e assim uma melhor qualidade de vida.

Eliania P. Silva Queiroz – Terapeuta Ocupacional

Referências:

Calil, Valdenise M. L. T; Caracterização do Recém-Nascido Pré-Termo– Assistência Integrada ao Recém –Nascido. Leone, Cléa Rodrigues ; Ateneu,São Paulo, 2001.

Lopez, Fabio Ancona e org; Prematuridade e Crescimento Fetal Restrito -Tratado de Pediatria, Ed 2, Manole,São Paulo, 2010.

Método Mãe Canguru – Atenção Humanizada ao Recém-Nascido de Baixo Peso; Ministério da Saúde, 2002

Apostila Acadêmica de Terapia Ocupacional, Universidade Uniceuma,São Luis,2007;

Anúncios

Responses

  1. Parabéns pelo site! Sou mae de uma bebê prematura de 30 semanas , nós pais precisamos de informaçoes sobre o que é um prematuro e como devemos cuidar dos nossos filhos e o teu site é bem esclarecedor.

    • Ariane, muito obrigada pelo comentário.
      É muito gratificante poder ajudar.
      Estou a disposição caso você precise de mais alguma informação.
      Parabéns por seu filho.

  2. Bom Dia,

    Tenho uma bebê prematura que esta internada “UTI/Neocenter da M.H. Octaviano Neves de BH”, nasceu com 28 semanas, hoje está com 35 semanas, porém ainda encontra-se com baixo peso, 1.270k, internada já há 44 dias.
    Minha pergunta é:
    É normal prematuro ganhar peso em torno de 5 a 10gramas por dia?

    Obrigada,

    Neila

    • Olá Neila!
      Você não disse com qual peso ela nasceu, mas é normal que o prematuro ganhe pouco peso.
      É importante você conversar com a equipe, para saber se ela está tendo o acompanhamento de fonoaudiologa – que vai estimulá-la para na alimentação; a terapia ocupacional – que usará técnicas para alcamá-la impedindo a perda de peso já adquirido; o fisioterapeuta – que auxiliará na respiração…Converse com eles e exponha a sua dúvida, pergunte se está acontecendo alguma coisa para que ela ainda esteja com tão pouco peso, porque algumas vezes ela ganha peso em um dia e perde no outro, seja por ter se estressado demais, chorado muito…por causa dos procedimentos que ela passa diariamente.
      É importante que você seja sempre informada de tudo que está acontecendo com sua filha.
      O carinho da mãe e familiares é imprescindivel, tente manter a calma.
      Desejo muita saúde para seu bebê e para você e que ela tenha alta o mais breve possível.

  3. Olá!
    Sou de São Luís – MA.
    Meu bebê nasceu dia 17.01.2012, com 32 semanas, pesando 1.790g em razão de eu ter tido descolamento total de placenta, pois tive pressão alta na última semana que antecedeu ao parto (no momento do parto estava em 180X120mmHg).
    Queria saber de fato, quais as possíveis sequelas que ele pode apresentar, já que nasceu deprimido?
    Queria saber se haveria tratamentos com terapeuta ocupacional, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, neurologista que pudessem suprir qualquer problema e fazer com que meu filho fique equivalente a bebês que nasceram no tempo certo?
    Agradeço a atenção.

    • Olá Carolina!
      Eu particularmente não gosto de falar para os pais que os filhos terão sequelas “x e y”, mas que eles “podem” ter certos tipos de sequelas porque é muito relativo.
      As crianças prematuras têm maior possibilidade de ter atraso no desenvolvimento, desenvolver TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade) e mais algumas coisas, porém é preciso saber se ela teve comprometimentos no cérebro, hemorragia, ficou entubado…e mais o ambiente influência muito.
      A criança que não recebe estímulos em casa tende a ter atraso no desenvolvimento mesmo ela não sendo prematura, mas o que posso te dizer é que a equipe de reabilitação que você mesma citou pode ajudar muito a evitar certos atrasos.
      Se tua criança nasceu em uma maternidade pública como o Hospital Universitário Materno Infantil ela vai ter toda essa equipe a sua disposição, porém se foi em uma maternidade particular você vai ter que procurar esses profissionais.
      Procura quem já tem experiência com criança, com estimulação precoce porque é diferente trabalhar com adulto e com criança só que alguns profissionais se acham capazes de atender todas as pessoas e não é bem assim.
      Mas começa logo, não deixa para quando ela completar 1 ano ou 2, quanto mais cedo melhor.
      Boa sorte Carolina e saúde para seu bebê, caso queira mais esclarecimentos estou a disposição.
      Espero te-la ajudado.

  4. Olá, sou de Rio Verde, goiás. Sou enfermeira especialista em Neo e Pediatria, estou cursando pós graduação em terapia ocupacional pediátrica. se puder quero sua ajuda para encontrar artigos sobre o papel do terapeuta ocupacional na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, este é o meu título do TCC, não consegui encontrar quase nada, nada mesmo, se puder me ajudar. agradeço desde de já.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: