Publicado por: Eliania Silva | sábado abril 3, 2010

LESÃO MEDULAR

 

1 Introdução

A lesão medular é considerada uma das mais graves e incapacitantes síndromes que podem atingir o ser humano e ainda não consegue ser revertida com os recursos científicos atuais. O tratamento de reabilitação é, portanto, o caminho que facilita o lesado medular a reaprender a controlar suas funções “perdidas”. Ela ocorre devido a um evento traumático, como acidentes automobilísticos, mergulho, agressão com arma de fogo ou queda, ou a eventos não-traumáticos como infecções e tumores. A lesão pode ser completa ou incompleta e apresenta como características principais a perda da sensibilidade e/ou motricidade, e paralisia temporária ou permanente dos músculos e do sistema nervoso autônomo.


2 Anatomia da Medula Espinhal

clip_image003Etimologicamente, medula significa miolo e indica o que está dentro. Assim, temos medula óssea dentro dos ossos, medula supra-renal, dentro da glândula do mesmo nome, medula espinhal, dentro do canal vertebral.

Cranialmente a medula espinhal limita-se com o bulbo, ao nível do osso occipital e termina no nível da segunda vértebra lombar (L2). Existem 31 pares de nervos espinhais assim distribuídos: 8 cervicais, 12 torácicos, 5 lombares, 5 sacrais e, geralmente, 1 coccigeo. Como existem 8 pares de nervos e apenas 7 vértebras, o primeiro par cervical(C1) emerge acima da 1ª vértebra cervical, portanto entre ela e o osso occipital. Já o 8º par (C8) emerge abaixo da 7ª vértebra, o mesmo acontece com os nervos abaixo de C8, que emergem, de cada lado, sempre abaixo da vértebra correspondente. Saber esse limite caudal é importante para um diagnóstico, prognóstico e tratamento.

No homem adulto mede 45 centímetros, sendo um pouco menor na mulher.

Por não percorrer todo o comprimento da coluna vertebral, a medula espinhal termina afilando-se para formar o cone medular, que continua com um delgado filamento meníngeo ou filamento terminal e em conjunto, são denominados de cauda eqüina.

A medula espinhal apresenta duas dilatações denominadas intumescência cervical – que contêm os nervos que suprem os membros superiores (MMSS) – e intumescência lombar – contendo os nervos que suprem os membros inferiores (MMII).

A medula espinhal é protegida pelas meninges que são camadas de revestimento de tecido conjuntivo denominado dura-máter, pia-máter e aracnóide, elas se estendem por toda medula espinhal (e encéfalo), além do liquido cérebro espinhal que fica entre a dura-máter e aracnóide e pelos ligamentos vertebrais.

Na medula, a substância cinzenta localiza-se por dentro da branca e apresenta a forma de um H. Nela distinguimos de cada lado três colunas que aparecem nos cortes como cornos e que são as colunas anterior, posterior e lateral. A coluna lateral, entretanto, só aparece na medula torácica e parte da medula lombar.

clip_image004

A medula espinhal é a via de comunicação entre as diversas partes do corpo e o cérebro, além do centro de controle de importantes funções, tais como a respiração, a circulação, o funcionamento do intestino e da bexiga, o controle térmico e a atividade sexual. (De Carlo e Luzo, 2004)

3 Principais Causas da Lesão

Existem causas traumáticas e não-traumáticas. Sendo as traumáticas mais freqüentes, representando 85% dos casos de lesão medular atendidas na AACD em 2000.

Das causas traumáticas, as mais freqüentes são: ferimentos por projétil de arma de fogo – 45%, acidentes de transportes (automóvel, motocicleta, …) – 30%, quedas – 13%, mergulho – 10%, outros traumatismos – 2%.

clip_image006

Dentre as causas não-traumáticas destacam-se: tumores, infecções, vasculares, degenerações (TEIXEIRA, 2003).

No ano 2000, na rede SARAH, 57,5 % dos pacientes que sofreram lesão medular por seqüela de traumatismo, tiveram como principais causas: 31% acidente de trânsito, 30% agressão com arma de fogo, 21% quedas e 6, 5 %, mergulho.

4 Como Determinar o Nível Funcional da Lesão

As lesões da medula espinha tipicamente são divididas em duas amplas categorias funcionais: tetraplegia e paraplegia.

Quando a lesão se localiza na medula cervical, ocasiona tetraplegia (quadriplegia) por comprometer a função dos MMSS, do tronco e dos MMII, inclusive dos músculos respiratórios.

Quando a lesão ocorre nos segmentos medulares torácicos, lombares ou sacrais, provoca paraplegia, comprometendo a função do tronco e dos MMII.

A American Spinal Injury Association (ASIA) padronizou a classificação neurológica da lesão medular utilizando o músculo-chave para determinar o nível motor e o ponto-chave de sensibilidade para definir o nível sensitivo.

clip_image008O nível exato de tetraplegia ou da paraplegia é determinado pelo segmento mais caudal da medula com funções motora e sensitiva normais em ambos os lados do corpo.

Quadro n1 – Classificação neurologia da lesão medular

Raiz Músculo-chave

C5 Flexores do cotovelo

C6 Extensores do punho

C7 Extensor do cotovelo

C8 Flexor profundo do 3º dedo

T1 Adutor do 5º dedo

L2 Flexores do quadril

L3 Extensores do joelho

L4 Dorsiflexores do tornozelo

L5 Extensor longo do hálux

S1 Flexores plantares do tornozelo

5 Classificação Quanto ao Grau da Lesão

Em relação ao grau de lesão pode ser classificada como completa ou incompleta

· Completa: quando há ausência de função motora e sensitiva nos dermátomos e/ou miótomos inervados pelos segmentos sacrais. Alguns dermátomos e miótomos caudais à lesão podem permanecer parcialmente inervados, dando lugar à zona chamada de preservação parcial.

· Incompleta: quando o exame físico constata a presença de função sensitiva e/ou motora abaixo do nível de lesão, incluindo os dermátomos e/ou miótomos inervados pelos segmentos medulares sacrais.

A ASIA, baseando-se na classificação de Frankel, elaborou a Escala de Deficiência ASIA, que específica o grau de comprometimento sensitivo-motor provocado pela lesão medular

Quadro n 2 – Escala de Deficiência – ASIA

A. Completa

Ausência de função sensitivo-motora nos segmentos sacrais.

B. Incompleta

Há função sensitiva abaixo do nível de lesão, incluindo os dermátomos sacrais, porém não há função motora.

C. Incompleta

Há função motora abaixo do nível de lesão, incluindo os dermátomos sacrais, e a maioria dos músculos-chave localizados abaixo da lesão tem grau muscular inferior a três.

D. Incompleta

Há função motora abaixo do nível de lesão, incluindo os dermátomos sacrais, e a maioria dos músculos-chave localizados abaixo da lesão tem grau muscular superior a três.

E. Normal

As funções sensitivas e morais são normais

6 Síndromes Medulares

Dependendo do nível e do grau da lesão, distingue-se as seguintes síndromes medulares:

· Síndrome Centromedular

 Lesão incompleta localizada na medula cervical

 MMSS com maior deficiência motora que os MMII

 Sensibilidade presente nos segmentos sacrais

· Síndrome De Brown-Séquard

 Lesão incompleta da medula (hemissecção medular)

 Perda motora e proprioceptiva homolateral à lesão

 Perda da sensibilidade térmica e dolorosa contralateral à lesão

· Síndrome Medular Anterior

 Lesão medular incompleta

 Perda motora e de sensibilidade térmica e dolorosa

 Propriocepção conservada

· Síndrome Medular Transversa

 Lesão medular completa localizada acima do cone medular

 Perda motora completa (paralisia espástica)

 Perda sensitiva completa (anestesia superficial e profunda).

· Síndrome do Cone Medular

 Lesão da medula sacra e das raízes lombares dentro do canal espinhal

 Perda motora (paralisia flácida)

 Perda sensitiva nos dermátomos lombossacros correspondentes.

· Síndrome da Cauda Eqüina

 Lesão de raízes nervosas lombossacras dentro do canal, abaixo do cone medular

 Perda motora nos músculos inervados pelas raízes lesadas (paralisia flácida)

 Perda sensitiva nos dermátomos inervados pelas raízes lesadas.

Choque espinhal. Imediatamente após uma LME, há um período de arreflexia denominado choque espinhal. Este período de depressão reflexa transitória pode ser resultante do desligamento abrupto das conexões entre os centros superiores e a medula espinhal. Caracteriza-se pela ausência de toda atividade e reflexo, flacidez e perda da sensibilidade abaixo do nível da lesão. Pode prolongar-se por diversas horas e até semanas, mas tipicamente cede dentro de vinte e quatro horas.

O choque espinhal é uma fase à parte de quem sofre uma LME, que deve ser levada em consideração no momento da avaliação, pois seu aspecto transitório permite diagnósticos errados.

7 Principais Complicações

As principais complicações na fase de reabilitação da pessoa com lesão medular:

· Alterações respiratórias;

· Trombose venosa profunda;

· Úlceras de pressão (escaras);

· Disfunção sexual;

· Hipotensão ortostática;

· Regulação térmica;

· Ossificação heterotópica;

· Espasticidade e automatismos medulares;

· Disfunção vesical e intestinal;

· Disreflexia autonômica;

Além das complicaçõe citadas acima, existem outras que os terapeutas cupacionais em particular não podem deixar de dar atenção, sejam elas transitórias ou permanentes. Elas são enfrentadas pelo individuo com lesão medular logo após a instalação da deficiência, são elas:

§ Interrupção brusca do estilo de vida pregresso;

§ Perda da independência física, psicologica e da sexualidade;

§ Perda da segurança financeira, da eficácia social e das metas educativas;

§ Perda da destreza e dos planos vocacionais, bem como dos interesses não vocacionais;

§ Perda das expectativas pessoais e esperanças para o conteúdo e o planejamento do futuro (De Carlo, 2004).

8 Prognóstico

A incapacidade na lesão medular varia de acordo com o grau da lesão, do segmento medular e das vias nervosas e neurônios da medula envolvidos. A maioria dos pacientes apresenta melhora que se inicia a partir da primeira semana e vai até o 6º mês do trauma. A possibilidade de melhora espontânea diminui após o 6º mês. Estratégias de reabilitação instituídas precocemente podem minimizar a incapacidade a longo prazo.

9 Tratamento

O diagnóstico precoce é fundamental para instituir rapidamente o tratamento adequado seja medicamentoso, cirúrgico ou reabilitativo, evitando-se graves consequências que podem resultar em hemorragia cerebral e até morte.

As orientações da terapia ocupacional, em conjunto com toda a equipe multidisciplinar (médico neurocirurgião psiquiatra, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional, dentre outros) são fundamentais para evitar ou minimizar deformidades articulares, além de complicações graves. Todas estas medidas podem reduzir a morbidade e a mortalidade, além de melhorar a qualidade de vida do paciente.

10 Papel da Terapia Ocupacional

O objetivo comum do tratamento de Terapia Ocupacional de todos os pacientes com lesão medular, respeitando-se o nível neurológico da lesão, é levá-los a conquistar a maior independência possível nas AVD; para isso, devem-se sempre levar em conta as características de cada paciente e seus objetivos. Também são importantes os exercícios de estiramento muscular suaves; a manutenção e o ganho de amplitude dos movimentos articulares; o fortalecimento muscular (excluindo os músculos que, em razão da ausência de inervação do antagonista, se tornam vulneráveis ao desenvolvimento de deformidades incapacitantes, como, por exemplo, bíceps braquial na lesão nível C529); o treinamento da função dos membros superiores; a prescrição, a confecção e, se necessário, o treinamento de adaptação para realização das AVD e AVP; a confecção de órteses de posicionamento para os membros superiores (MMSS); e a prescrição e adequação de cadeiras de roda e acessórios.

De acordo com o nível da lesão, a sensibilidade pode se apresentar alterada ou abolida, devendo, portanto, ser sempre estimulada. O terapeuta ocupacional deve se preocupar com possíveis riscos de queimaduras e ferimentos e orientar os pacientes a esse respeito. (De Carlo, 2004).

Greve et al (2001) cita que o treino visa proporcionar o mais alto nível de independência dentro das limitações e potencial de cada paciente, com o menor gasto energético possível.

O terapeuta ocupacional tem papel de destaque quanto ao treino das atividades diárias como:

clip_image001 clip_image010Vestuário e treino quanto ao uso de órteses

clip_image001[1] Alimentação e Higiene;

clip_image001[2] Manejo de cadeira de rodas;

clip_image001[3] Transferência;

O objetivo principal da terapia ocupacional diante do paciente com lesão medular é levar esse individuo a atingir seu potencial máximo, retornando a sua vida social, de lazer e ocupacional.

11 Conclusão

A lesão medular ainda não tem cura, porém o paciente que sofreu lesão na medula pode ter uma vida ativa, retornar a muitas das atividades que realizava anteriormente, desde que receba apoio da família e de uma equipe de reabilitação que o auxilie nessa transição, que o ensine a se adaptar a essa nova realidade.

O programa de tratamento deve ser específico para cada paciente, levando em consideração não apenas o nível da lesão, mas o paciente como um todo, já que cada um vai apresentar características, necessidades e anseios próprios. O terapeuta ocupacional deve procurar manter essa visão de que cada paciente é único e como tal deve ser tratado.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

MACHADO, Ângelo – Neuroanatomia Funcional. São Paulo: Ateneu, 2000;

CALVACANTE, Alessandra; GALVÃO, Claúdia – Fundamentação Teórica e Prática em Terapia Ocupacional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007;

TEIXEIRA, Erika; SAURON, Nicole Françoise – Terapia Ocupacional na Reabilitação Física. São Paulo: Roca, 2003;

DE CARLO, Marysia M. R. Prado; LUSO, Mª Cândido – Terapia Ocupacional na Reabilitação Física e Contextos Hospitalares . São Paulo: Roca, 2004;

TORTORA, Gerard J. – Corpo Humano – Fundamentos de Anatomia e Fisiologia. Artmed, 6ª edição, 2006;

IMAGENS:

http://www.bengalalegal.com/deficiencias.php

www.wgate.com.br/…/lesao_espinhal_brena.htm 

http://www.geocities.com/liga_de_dor/rmdn201.html

www.biologiasemlimites.com

http://www.tocupacional.wordpress.com

About these ads

Responses

  1. Olá! tudo bem, sou estudante de Terapia Ocupacional da Uniso, e gostaria muito de receber artigos, noticias… sobre nossa profissão.

    Abraços,
    Andreza

    • Olá! Boa noite! Sou Terapeuta Ocupacional e estou atendendo um paciente com lesão medular na C4 -por arma de fogo-bala alojada.diagnósticado com tetraplegia flácida .presença de escaras;uso de colar cervical ;se posiciona em 90° mas com hipotensão postural (complicador). queixa de dor nos ombros e art do cotovelo;hipersensibilidade. realiza aduçã de ombro ,abdução em grau 3, flexão de cotovelo -gravidade eliminada grau 2,flexores e extensores de dedo e extensor de punho -grau 0. toque leve – grau o na face dorsal e ventral da mão- ”ausência sensorial”. Estou dúvida quanto ao tipo de òrtese pois já esta a 5 meses sem previnir ..punho fletindo . em relação a estimulação sensorial ; e prescrição de cadeiras de rodas,pois o mesmo esta fazendo uso da padrão ,sem apoio . Gostaria muito que me ajudasse pois me sinto insegura em relação ao plano de tratamento visto que é um caso complexo ,que exige cuidados maiores.
      Desde já agradeço e parabéns pelo trabalho.

    • oi andreza eu fiz uma cirugia para um tumor na medula em novembro de 2013 e este mes vai fazer um ano e ainda nao consigo caminhar consigo dar uns passos com o andador sera que vou ficar com sequelas sabe me dizer mais sobre este tumor desde ja agradeço

  2. Sou Acadêmico de Fisioterapia da Ulbra, Canoas, Rs. Tenho buscado orientação nos artigos de Neuro postados na internet, vendo este trabalho achei ótimo para dirimir algumas dúvidas e aprender mais sobre a matéria. Gostaria de receber artigos e trabalhos sobre Lesão Medular e tratamentos. Parabens pelo trabalho pelo que fico muito grato.
    abraços

    • Obrigada pelo comentário Carlos.
      É muito gratificante saber que pude lhe auxilia.r
      Assim que possível publico mais artigos a respeito do tema e vou verificar as referências para lhe eviar.
      Qualquer dúvida estou a disposição.

  3. ELIANA, SEU ARTIGO É MUITO ELUCIDATIVO.
    SOU MÉDICA, E HA ALGUNS TERMOS QUE NÃO SÃO DA MINHA PRÁTICA.
    OQUE SIGNIFICA AVD, AVP E LME?
    SOFRI UMA AGRESSÃO FISICA NO MEU AMBIENTE DE TRABALHO E HOUVE COMPROMETIMENTO DE L4, E T11 12, SENDO QUE EM ABRIL DE 04 TIVE UMA ARTRODESE EM T11 E 10 POR FRATURA (ACIDENTE DE CARRO). PARA PROTEGER OS PINOS NO MOMENTO QUE FUI EMPURRADA BATI A BACIA AFETANDO L3-4, PERDI A FORÇA DA PERNA ESQUERDA E BATI CONTRA UM BATENTE DE MADEIRA O DORSO TORAXICO NA ALTURA DOS PINOS,ISSO EM 3.3.10 E ESTOU EVOLUINDO COM PIORA DA DOR TORACICA E PRINCIPALMENTE LOMBAR COM ENFRAQUECIMENTO DO MIE, RETENÇÃO URINARIA E FECAL E DORMENCIA EM HALUX ESQ.,ESPASMOS MUSCULARES NA PANTURRILHA ESQ E HIPOTERMIA (34,7 GRAUS) EMBAIXO DE 3 COBERTAS E AGASALHOS,MORANDO EM UBERLANDIA. SERÁ QUE VC PODE ME AJUDAR, POIS MEU MEDICO VE POUCAS POSSIBILIDADES DE NÃO SER SUBMETIDA A UMA CIRURGIA LOMBAR?

    • Cara Anna Maria!
      AVD significa Atividade de vida diária, são as atividades relacionadas aos cuidados pessoais e a mobilidade, como nos alimentar e AVP= atividade de vida prática, são as habilidades que estão relacionadas a solucionar problemas e habilidades sociais como fazer supermercado, usar um microondas…A Terapia Ocupacional tem como principal objetivo promover ao paciente que ele continue a realizar suas tarefas, seja reabilitando-o ou fazendo adaptações e órteses.
      Quanto a LME = Lesão da Medula Espinhal. Obrigada pela observação, vou colocar o significado das siglas nos artigos, assim ninguém mais ficará com dúvidas.
      Os artigos publicados neste blog devem servir de referência, auxiliar as pessoas a saberem um pouco mais sobre a doença e que existe a terapia ocupacional para auxiliar em sua recuperação.
      Sinto muito por tudo que lhe aconteceu e lhe recomendo que procure um terapeuta ocupacional para que ela possa fazer uma avaliação de seu estado e assim lhe ajudar.
      No mais agradeço pelo comentário e desejo-lhe saúde.

  4. Boa noite, um amigo meu (22 anos) sofreu uma lesão vertebro-medular incompleta devido a um mergulho em 13 de Agosto de 2010; lesionou a C6 e a C7 e encontra-se em cadeira de rodas, movimentando a perna esquerda e ambos os braços, só há dois dias começou um ligeiro movimento na perna direita e não apresenta força nos dedos de ambas as mãos. Tem feito treino para se colocar em pé, mas ainda não consegue sustentar o corpo. A minha questão é se será possível para ele voltar a andar ou se tal não poderá acontecer? Se os nervos espinhais das mãos tiverem sido cortados, ele não poderá voltar a ter motricidade fina? Nestes casos, é possível vir a ter função urinária, fecal e sexual normais? Obrigada.

    • Olá M.S.!
      O acidente com seu amigo é recente e pelo que você falou ele já teve muitos ganhos, isso é muito bom.
      Ele precisará fazer exercícios para adquirir força nos membros, só então ele poderá volta a ficar de pé e tentar voltar a andar. Sem força nos músculos isso não será possível, mas é para isso que existe a fisioterapia, ela vai auxilia-lo nesse ganho de força.
      Já a terapia ocupacional vai auxili-lo a recuperar essa motricidade fina que foi atingida e caso não seja possível vai auxilia-lo a realizar suas tarefas de uma outra forma, tentando sempre deixa-lo o mais independente possível de outras pessoas.
      Não tem como eu lhe afirmar que ele jamais vai voltar a andar, como não posso lhe afirmar o contrário.
      Cada caso tem que ser avaliado separadamente. É verdade que a lesão dele foi em um local muito comprometedor, mas foi imcompleta, pelos ganhos já obtidos parece que foi atingido a função sensitiva e a motora preservada, mas só um exame médico para dizer.
      Quanto a realizar suas necessidades fisiológicas sozinho, isso é mais dificil. Existem casos que a pessoa com lesão imcompleta pode apresentar um controle parcial de seu esfincter, mas ainda sim vai precisar de ajuda. Também pode apresentar ereção reflexa controlada por algum estimulo como ter os pelos púbicos puxado e existem avanços tecnológicos para conseguir manter uma ereção. A necessidade de contato, de intimidade física e emocional vai se manter.
      É muito importante que ele e a familia tirem todas as dúvidas com a equipe que o acompanha.
      Dedicação, empenho e desejo de melhora são fundamentais e a paciência também, porque algumas vezes os resultados são demorados e vem aos pouquinhos.
      Espero ter ajudado de alguma forma, fica dificil falar sem estar acompanhando a evolução, sem fazer uma avaliação, então, lhe peço que procure a equipe que acompanha-o para tirar todas as dúvidas, porque eu só posso dizer o que acontece no geral e todos sabemos que cada caso é um caso único.
      Saúde e força para seu amigo e familiares.

      • Olá de novo

        Obrigada pela resposta. Venho dar boas novidades. O doente de que havia falado já teve alta e saiu do centro de reabilitação pelas próprias pernas, sem muleta ou bengala! Estamos muito satisfeitos e gratos por tudo ter corrido tão bem. As mãos ainda têm mt que evoluir, mas o jovem em causa consegue realizar quase todas as tarefas, até escrever. As funções internas tb parecem bem, embora ainda esteja em vigilância qt à possível dilatação da bexiga. Um ótimo acompanhamento e uma capacidade de encaixe por parte do doente, aliadas a alguma sorte, deram este maravilhoso resultado, volvidos apenas três meses e meio desde o acidente. Aqui fica, então, um testemunho que poderá trazer algum alento e esperança a quem viva este pesadelo. Boa sorte a todos e muita saúde.

      • É tão bom saber da recuperação de seu amigo Marina.
        Agradeço por você ter dado esse feedback sobre o caso, com certeza vai ajudar muitas pessoas que passam por situações semelhantes.
        Desejo muita saúde e paz pra vocês.

      • estou aguardando cirurgia da coluna cervical e lombar p/queda de minha altura perdi força mãos e braço, quando faço fisioterapia sinto muita pressão na lombar e queimação no braços e mãos. tratei da trombose 6 meses e estou esperando o sus liberar vaga. eu posso fazer física,pode piorar antesdacirurgia

  5. Bom dia,meu nome é Edna,tenho 48 anos,e há cerca de 06 meses foi diagnosticado numa RM da coluna,mielopatia espondilótica cervical.Fui submetida à cirurgia no dia 16/12/10.Foram retiradas três hérnias e descompressão medular com artrodese por via anterior.Foram colocados,03 cages cervicais,01 placa cervical,08 parafusos,10g enxerto ósseo,02 hemostático,e 02 blocos para drill…Mesmo tendo feito a cirurgia e recebido algumas explicações sobre a doença,continuo com dúvidas e gostaria muito que você,Dra Eliana,pudesse me esclarecer sobre todas as implicações dessa doença, pois quero poder entender os reais riscos que corro!A mielopatia era na c5/c6 e HDC c4/c5 + c6/c7…O que sei é que é uma doença séria e degenerativa da coluna e com a lesão medular,se torna ainda mais grave…Antes de fazer a cirurgia,eu mal conseguia andar e sentia dores intensas no pescoço.Após a cirurgia,voltei a andar normalmente e até o primeiro mês após a cirurgia,as dores eram apenas do pós operatório mesmo! Nas de uns dias pra cá,já procurei o médico,com dores muito fortes no ombro esquerdo,em queimação! Sem contar,as dores no pescoço e na região do implante…A dor na garganta melhorou, mas ainda engasgo ao comer e tenho percebido perda de urina,logo que acordo, quando a bexiga está cheia,e não dá tempo de ir ao banheiro,sempre solto urina, involuntariamente.Quando pergunto ao médico,ele me dá algumas explicações vagas e diz que é grave,mas quero lhe pedir o favor de, pela sua experiência,e pelo meu relato,que me explique,tudo que entende sobre essa patologia.É muito importante pra mim,esse esclarecimento,até mesmo pra que eu me cuide,e busque sempre um tratamento,que possa melhorar minha qualidade de vida,uma vez que sei que não poderei ter a cura completa!O médico vai pedir aposentadoria por invalidez,pois diz que não terei mais condições de trabalhar e o mais sensato,no meu caso, é me restringir apenas a alguma atividade dentro de casa…Farei outra RM e eletroneuromiografia esta semana.Desde já,agradeço e peço mais uma vez, que me dê seu parecer,e se o tratamento que tenho feito é o correto,no meu caso.. Estou fazendo fisioterapia domiciliar,e tomando um medicamento forte para dor neuropática…No mais,deixo um abraço e aguardo ansiosa sua resposta….

    • Olá Edna!
      Desculpa a demora na respostas, também tenho passado por alguns problemas serios de saúde.
      Peço mais desculpas ainda por não poder te ajudar muito, não tenho experiência na área, mas na área de pediatria.
      Os médicos, não todoss, mas a maioria tendem a achar que já sabemos de mais ao nos dar o diagnóstico e limitam as informações que dão, mas e seu fisioterapeuta, ele não lhe deu mais esclarecimentos? Você não deve ter medo nem vergonha de perguntar, eles estão sendo pagos pra isso também, é dever deles, ninguém melhor para tirar suas dúvidas doque aqueles que estão lhe acompanhando.
      Mas deixo seu depoimento porque se algum profissonal se sentir a vontade poderá entrar em contato com você e lhe ajudar a respeito de suas dúvidas.
      Lhe desejo saúde e paz.

  6. Ola sou academica de T.O e gostaria muito que me orientasse em algumas dicas para ajudar minha paciente que sofreu lesao medular a nivel t2 causando a paraplegia , ela tem 3 anos de lesão e hj ja recuperou totalmente sua ADM dos MMSS junto a sensibilidade e força muscular, e tambem controle de tronco, tendo apenas comprometimento dos MMII, com ausencia de movimento e em algumas partes dos MMII tem ausencia de sensibilidade.Ela Pratica apenas equoterapia 2 vezes por semana, e nao frequenta mais a fisioterapia nem pretende voltar, pois nao se sentiu a vontade com os fisioterapeutas, a paciente relatou tambem que sente dores no corpo e espasmo nos MMII ,tomei a conclusão que as dores poderiam ser devido a falta de atividade fisica, pois apenas equoterapia por duas vezes na semana nao poderia ser suficiente para suprir as necessidades da paciente.Percebi entao que ela precisa de atividades de alongamento,e exercicios fisicos no contexto significativo do mundo dela, mas estou sentindo certas dificuldades para trabalhar os MMII relacionados a atividades, como vc poderia me ajudar? Se nao concordar com algo falado por favor esclareça.
    Espero ter sido clara em minhas palavras e desde de ja te agradeço.

    • Olá Halana!
      Primeiro eu acho que você sabendo da importância da fisioterapia no caso dela, procure você alguém que você ache que va deixar sua paciente a vontade e encaminhe, provavelmente ela não teve boas experiências com fisioterapeutas mas nem todos são iguais, tente convece-la doquanto ela está perdendo sem realizar as atividades que precisa.
      Segundo, tem um livro de Spackmam se não me engano que trabalha MMII,- nessa área nosso curso deixa muito a desejar, porque apesar de podermos atuar não nos ensinam muito e alguns professores ainda chegam a falar que é área dos fisioterapeutas, o que é inadimissivel para um curso que diz se importar com o paciente como um todo.
      Vou te enviar um contato de uma terapeuta que tem mais experiência nessa área e ela poderá te ajudar mais.
      Boa sorte!

    • Olá Halana!
      Primeiro queria te dizer que seria importante você procurar algum fisioterapeuta amigo seu, que você confie para encaminhar sua paciente, ela precisa, você sabe disso e apesar dela ter tido algumas experiências ruins, tem muito profissional atencioso,( cada um tem um jeito de trabalhar), é importante que ela volte a ter o acompanhamento do fisioterapeuta.
      Sobre trabalhar com os MMII, nosso xcurso falha nesse sentido, muitos professores dizem ainda que é uma área para os fisioterapeutas e isso não é verdade, se fosse não teriamos isso na nossa grade.Como uma profissão que diz levar em conta o ser humano como um todo deixa de lado os MMII?Dra Hosana até deixou um comentário aqui no blog sobre sua indignação e citou o trabalho de uma amiga que foi sobre MMII, você pode pegar o contato dela e com certeza você terá muitas dúvidas solucionadas, ela é muito receptivel.Tem também a indicação de um livro no comentário dela (Willard Speckmam).
      Boa sorte!

  7. olá, minha filha tem 21 anos, há 2 anos sofreu um acidente automobilistico e fraturou,c5,c6,c7 a t1,houve uma compressão medular. Ela fez uma cirurgia com preenchimento ósseo e placa com 4 parafusos e desde que voltou a andar ela reclama muito de formigamento nos pés e nas mãos e também muita dor de cabeça, ela diz que sente como se estivesse apertando a nuca; estou bastante preocupada, pois apesar de levar uma vida “normal”,digo voltou a fazer todas as suas atividades(como estudar, ballet),ela é muito jovem e a maioria dos médicos que fui, indicam analgésicos e remédios para dormir;porque ela dorme mal desde o acidente. Gostaria de saber se voce pode me ajudar ou até mesmo orientar a outro tipo de tratamento. agradeço desde já a sua preciosa atenção. IVC Cabral

  8. Olá meu nome e Carlos !
    sofri uma queda, em uma altura de uns 2.50m² + ou -.O resultado do Médico ,
    foi o seguinte:coluna dorsal: osteófitos laterais em DS e D8 pedículos íntegros.

    COLUNA LOMBAR: fratura de L1, pequenos osteófitos anteriores em L1e L2. e lateral em L1.
    Espaços discais preservados .
    Pedículos integros
    sacros e articulações sacro ilíacas preservados.
    Fiz 7 sessões de fisioterapia ,mas sinto dores na coluna e estou com disfunção erétil , tenho 56 anos que fazer?

  9. Olá meu nome e Carlos !
    sofri uma queda, em uma altura de uns 2.50m² + ou -.O resultado do Médico ,
    foi o seguinte:coluna dorsal: osteófitos laterais em DS e D8 pedículos íntegros.

    COLUNA LOMBAR: fratura de L1, pequenos osteófitos anteriores em L1e L2. e lateral em L1.
    Espaços discais preservados .
    Pedículos integros
    sacros e articulações sacro ilíacas preservados.
    Fiz 7 sessões de fisioterapia ,mas sinto dores na coluna e estou com disfunção erétil , tenho 56 anos que fazer? 05/11/2011. sou de Niterói RJ

  10. Boa tarde,

    Meu esposo sofreu um acidente de carro apenas há 1mês, fez uma cirurgia na coluna e colocou placas e parafusos, teve lesão medular: na altura da t12, tem alguma sensibilidade na altura da virilha e sente os músculos da coxa, (isso é lesão incompleta???) pois a medula dele, segundo os médicos não foi seccionada. Foi muito danificada e eles acham que é difícil ele recuperar os movimentos. Acredito muito que talvez um dia, a medicina e estudos estão muito avançados. Alguém pode me ajudar ou me dizer algo sobre este tipo de lesão? Alguém já viu um paciente deste tipo voltar a andar? (claro que sei, que existe casos e “casos”) mas como td é muito recente, gostaria de mais informações. Desde já agradeço muito. Att, CTO

  11. Boa Noite,Me chamo Bruna,.tenho 28 anos…operei a Hernia L5 com a S1 em dezembro de 2011..e fiquei com a sindrome da cauda equinia..gostaria de saber se tem alguma coisa que eu possa fazer..algum tratamento..se alguem já conseguiu se recuperou…? ainda não proucurei outras opiniões..porque agora que estou começando a sair de casa..meu neuro disse que seria irreversivel..estou perdida..não sei por onde começo a proucurar ajuda..Obrigada..aguardo uma resposta.

    • Olá amigos, sou Maiquel Costa tenho 28 anos e estou com a síndrome da cauda equina desde o dia 28/10/2011 depois de uma cirurgia de artrodese lombar el L4-L5-S1. Vejo tendo todos os sintomas desde então, disfunção para urinar e evacuar,já tive incontinência urinaria e de fezes, agora tenho retenção, falta de sensibilidade na sela, tenho ereção e não tenho orgasmo pelo fato de não sentir o pênis, tenho falta de força nos membros inferiores e falta de sensibilidade nos mesmos. Depois de muito tratamento que ainda segue até hoje venho conseguindo me adaptar a essa nova vida cheia de limitações porém cheia de esperança de um dia ser como antes uma pessoa saudável e cheio de vida. Meu tratamento consiste em fisioterapia + hidroterapia + natação + musculação + medicamentos para reconstrução da terminação nervosa lesionada. Posso dizer pra vcs que venho tendo melhoras muito relevantes, pois sai do hospital em uma cadeira de rodas, passei a um andador de 4 apoios, depois para duas muletas, depois para uma muleta e hoje ando sem elas com uma certa dificuldade. Deixo o meu contato de e-mail e MSN maiquel_costa@hotmail.com e o link do meu blog http://sindrome-da-cauda-equina.webnode.com/ caso alguém tenha intenção de entender melhor a situação.
      Abraços Maiquel Costa

      • Olá amigos, sou eu novamente, Maiquel Costa!
        Venho contar a vcs que depois de 17 meses de pós lesão voltei a ter a função fisiológica ( urina e fezes ) normalmente, e o mais impressionante de todos, voltei a ter orgasmos, ejaculação tudo como antes, a cada dia que passa tudo fica melhor. Hoje em dia a unica coisa que ainda luta muito para recuperar é a marcha completa, pois ainda ando com dificuldade.Deixo o meu contato de e-mail e MSN maiquel_costa@hotmail.com e o link do meu blog http://sindrome-da-cauda-equina.webnode.com/ caso alguém tenha intenção de entender melhor a situação.
        Abraços Maiquel Costa

  12. oi sou paulo de franca meu filho endueceu o pescoço tipo dorcicologo agora os braços e pernas estao perdendo as força e os medicos nao sabe oq pode ser e causado isso

  13. Ola! Quero parabeenizar o blog pelo post. Sou paciente de lesão medular L4, S1, S2, lesões causadas por esclerose múltipla. Adorei a publicação e de fácil leitura e entendimento.

    • Obrigada Vera!
      É sempre bom saber que meu trabalho ajudou.
      Gosto muito quando recebo comentários, é importante saber se está sendo útil, de fácil leitura, o que tem que melhorar.
      Obrigada e saúde!

  14. Olá, preciso de ajuda, trabalho com telemarketing, e fiz um eletroneuro, e acusou, lesão no C7-8 esquerdo e axila direita e a sindrome do tunel do carpo no esquerdo e agora.

    • Olá Lucimar!
      Agora você vai fazer o tratamento direitinho com o seu médico.
      Procurar uma Terapeuta Ocupacional(T.O.) para te orientar a melhor forma de adaptar teu local de trabalho.
      Provavelmente procurar um fisioterapeuta juntamento com o T.O. para prática de reabilitação física.
      E fazer o possível para viver sem dor.
      Saúde!

  15. Boa tarde, preciso de ajuda. Meu amigo sofreu um acidente e teve um TRM na altura das cervicais 4 e 5, com lesão na medula. hoje ele meche os ombros e sente formigamento nos braços. Quais as chances de recuperação dos movimentos? Pode levar quanto tempo para recuperar e sair do hospital?
    Desde já agradeço.

    • Gra
      Sinto por seu amigo.
      Acredito que você tenha lido o texto no blog e verificado a complexidade que são essas lesões, como pode mudar de pessoas pra pessoa. A resposta depende do tipo de lesão, completa ou incompleta, você diz que ele sente formigamento então pode ser que tenha sido incompleta (o que é bom), mas não estou afirmando isso…O que posso te dizer é que não tenho como te responder essas perguntas com 100% de certeza, talvez nem o médico que o está acompanhando.
      Tem vários depoimentos aqui mesmo no blog de gente que teve uma alta mais rápida, outros nem tão rápidas.
      Caso demore a recuperação ou ele não volte a ter todos os movimentos, você pode apoia-lo sempre, ajudando na adaptação em um novo estilo de vida, com outras necessidades.
      Espero que ele surpreenda e a recuperação seja rápida e completa.
      Desejo Saúde e sucesso para seu amigo e para você muita força para apoia-lo.

  16. Prezada Eliana P. Silva, há dois meses e 22 dias fiz uma cirurgia para descompressão da medula na altura da C4 e C5 e T2,, atualmente estou com formigamentos nas mãos, um pouco em algumas vezes no braço direito, também perdi antes da cirurgia um 50% das forças nos braços, um pouco da massa muscular principalmente nos braços e nos ombros, claro aos poucos com fisioterapia e fortalecimento muscular hidroginástica e outros vou voltando para uma boa melhora, mesmo após a cirurgia que esta recente permaneço com alguns sintomas relacionados acima, tanto antes da cirurgia quanto depois percebi uma certa disfunção erétil parcial, não sei se é devido ao problema na medula, em alguns comentários de alguns pessoas do sexo masculino foi exposto também de disfunção erétil, segundo um dos neurugirão explicou que não, mas em algumas pesquisas sobre o assunto obeservei que em alguns casos há esta disfunção, mas vou fazer mais pesquisas com os médicos e em outros meios. O o médico neurocirurgião explicou que esta compressão por fazer muito tempo cinco anos por causa de um acidente automobilístico e após isto sofri também uma queda de um muro de dois metros, portanto passei muito tempo com esta compressão na medula, o mesmo médico explico com todas estas alterações na medula a recuperação pode ser de três a um período de 12 meses, claro com todas as suas recomendações. Portanto preciso saber se realmente este prazo é procedente, antes da cirurgia estava angustiado temeroso, mas após conversa com os médicos e outros fisioterapeutas etc, observei que após o período de recuperação do pós-operatório no prazo devido vou realmente desenvolver minhas atividades normais, mesmo com alguns problemas causados pela lesão. O chefe da equipe média mesmo com o prazo longo da compressão da medula, o mesmo médico explicou que melhoraria 70% da vida normal e até poderia no futuro pegar materiais pesados e outros provinientes da força muscular. Só quero amiga a confirmação destas informações para cada vez mais ficar mais tranquilo em relação aos problemas

    • Olá Valério!
      Pelo que percebi você está muito bem amparado por uma equipe e não só um profissional, também percebi que você está bem informado e que recebe as resposta dos profissionais que estão lhe acompanhando, que bom.
      Isso tudo são previsões que todos esperamos que se concretizem, pode ser um pouquinho mais rápido ou mais demorado isso depende de muitos fatores, inclusive de como seu corpo vai responder a reabilitação, a medicação…
      Pense positivo, se dedique aos exercícios físicos, cuida da mente (é muito importante diante de situações de doença principalmente), fique próximo de quem lhe ama (eles são indispensáveis) e fique em paz.
      Desejo uma recuperação breve e saúde!

  17. Boa noite,meu nome é sílvia,meu namorado esta internado há um mês ele sofreu traumatismo medular,fraturou a 4ª e 5ª vértebra e estourou a medula,mexe as duas pernas ,mas não sente a esquerda,não faz as necessidades normal.Ele poderá voltar a ter uma vida normal?Também foi diagnosticado duas hérnias de disco,o médico disse que não vai mexer nas hérnias,e que vai fazer a cirurgia pra vê se ele consegue recuperar os movimentos.Me diga por favor quais as chances que ele tem de voltar a andar.Obrigada.

    • Olá S.H.
      Sinto muito pelo seu namorado e mais ainda por não poder te dar uma resposta com certeza.
      Nem mesmo a equipe que está cuidando dele pode lhe dar certeza de que ele vai voltar a andar, vai depender da cirurgia e de muitos outros fatores, ele mexer as pernas é um bom sinal, mas não posso te dar nenhuma certeza.
      Quanto a voltar a “ter uma vida normal”, o que eu posso lhe dizer é que eu compreendo como dói e como é difícil aceitar algumas coisas que acontecem em nossas vidas, mas você tem que esperar o melhor e se preparar para o pior.
      Seu namorado vai precisar de muito apoio para a recuperação, para fazer o tratamento, a reabilitação, tanto você quanto os familiares dele deverão entender que o acidente foi com ele, ele que vai precisar de apoio.
      Espera a cirurgia e conversa outra vez com a equipe que o acompanha, eles poderão te dar melhores informações.
      Eu espero que ele se recupere o mais breve possível.

    • Olá amigos, sou Maiquel Costa tenho 28 anos e estou com a síndrome da cauda equina desde o dia 28/10/2011 depois de uma cirurgia de artrodese lombar el L4-L5-S1. Vejo tendo todos os sintomas desde então, disfunção para urinar e evacuar,já tive incontinência urinaria e de fezes, agora tenho retenção, falta de sensibilidade na sela, tenho ereção e não tenho orgasmo pelo fato de não sentir o pênis, tenho falta de força nos membros inferiores e falta de sensibilidade nos mesmos. Depois de muito tratamento que ainda segue até hoje venho conseguindo me adaptar a essa nova vida cheia de limitações porém cheia de esperança de um dia ser como antes uma pessoa saudável e cheio de vida. Meu tratamento consiste em fisioterapia + hidroterapia + natação + musculação + medicamentos para reconstrução da terminação nervosa lesionada. Posso dizer pra vcs que venho tendo melhoras muito relevantes, pois sai do hospital em uma cadeira de rodas, passei a um andador de 4 apoios, depois para duas muletas, depois para uma muleta e hoje ando sem elas com uma certa dificuldade. Deixo o meu contato de e-mail e MSN maiquel_costa@hotmail.com e o link do meu blog http://sindrome-da-cauda-equina.webnode.com/ caso alguém tenha intenção de entender melhor a situação.
      Abraços Maiquel Costa

      • Olá Maiquel!
        Obrigada pelo seu depoimento.
        Visitei sua página e deixo aqui seu comentário para que outras pessoas também possam visitá-la.
        Desejo a você uma recuperação rápida e que você fique bem.
        Muito inspirador seu depoimento e sua esperança.
        Saúde!

  18. por favor preciso de ajuda fiz um exame de eletroneuromiografia e diz assim EMG DELTOIDE AUS /BRAQUIAL AUS/TRIPS AUS/FLEXOR RADIAL CARPO AUS/EXTENSOR DEDOS AUS/PRIMEIRO INTEROSSEO DORS AUS/
    E NO MOTORA DEU A SIGLA ACP AMB AJUDEM NAO ENTENDI NADA.

    • Olá Gislene!
      Quem vai te responder essa dúvida é seu médico.
      As informações que você me deu estão incompletas e eu sou terapeuta ocupacional, mesmo que eu te falasse o que significa cada sigla você ainda teria que procurar um médico para ele iniciar o tratamento com você, te dar as orientações devidas.
      Leva seu exame para o médico que o solicitou e para que você tenha logo essa resposta e fique bem.
      Saúde!

  19. Olá Eliana, sou estudante de T.O. em Portugal. Gostaria de saber se posso comunicar consigo por e-mail para me ajudar num caso clinico em que o doente tem uma LVM.

    Espero a sua resposta, beijinhos

    • Podemos sim Filipa.
      Estou disponível a ajudar no que for possível.
      Sucesso!

  20. ola meu irmão sofreu acidente mobilistico ainda se encontra internado fraturou a coluna t11 e t12 tem os movimentos normal das pernas mas ainda corre algum risco de ficar na cadeira de roda? por favor me reponda

    • Oi Fabiane!
      Eu não tenho dados suficientes para te responder essa pergunta.
      O que foi que a equipe de saúde falou pra ele?
      Ofato dele ter os movimentos “normais” das pernas é um bom sinal.
      Ele ainda vai passar por cirurgia?
      A melhor pessoa para tirar essa sua dúvida é o médico que o está acompanhando, ele tem todos os exames, está a par de toda situação. Não tenha medo de perguntar.
      Caso o médico não esteja disponível, procure alguém da equipe que está cuidando dele.
      Espero que seu irmão fique bem, que se recupere o mais breve possível.
      Saúde pra você e sua família.

      • opa nao foi eu que te fez esta pergunta?mas foi bom sabe sobre o assunto…

        >________________________________ > De: Terapia Ocupacional >Para: gislenelagoinha@yahoo.com.br >Enviadas: Terça-feira, 11 de Dezembro de 2012 19:04 >Assunto: [Novo comentário] LESÃO MEDULAR > > > WordPress.com >Eliania Pereira da Silva comentou: “Oi Fabiane! Eu não tenho dados suficientes para te responder essa pergunta. O que foi que a equipe de saúde falou pra ele? Ofato dele ter os movimentos “normais” das pernas é um bom sinal. Ele ainda vai passar por cirurgia? A melhor pessoa para tirar e” >

  21. e muito triste uma pessoa que amamos ficar em uma situacao dificil meu esposo sofreu um alesao medular ha 6 meses e cada vez vamos descobrindo mais coisas tristes temos que se adaptar a tanta e outras ele sofreu acidente de trabalho e ocasionou isto naosente e nem mexe do peitoral pra baixo as vezes fico olhando pra ele e me da vontade de chorar mas tenho que ser mais forte que ele pois tenho que da forca pra ele e nossos dois filhos e isso ai bola pra frente

    • Oi Fyama!
      Realmente é difícil.
      Só quem está na situação consegue sentir o quanto é difícil.
      Mas como você disse é preciso seguir enfrente,se adaptara um novo estilo de vida, abrir mão de muitas coisas e aprender com a nova situação.
      Desejo de todo meu coração que ele possa obter muitos ganhos e que a vida de vocês melhorem.
      Saúde para você e sua família.

  22. Bom Dia Doutora

    Nasci em 10/02/1952 e com 18 anos fiquei paralitíco da cintura para baixo.
    Com quadro de bexiga neurogênica, paralisia das pernas, sendo hj diagnosticado como sindrome da cauda equina.
    Apesar de ter feito inúmeros exames naquela época e ficar internado por 3 meses, não houve reversão do quadro. Hoje com 61 anos ainda tenho a bexiga neurogênica e não tenho firmeza na ponta dos pés. Devido a bexiga neurogênica perdi o rim direito por entupimento do ureter, sou diabético senil e outras pequenas complicações da idade.
    A parte da fertilidade não foi afetada e consegui ter 02 filhos homens.
    Gostaria de lhe perguntar se com as técnicas modernas da medicina tenho chance de melhorar o meu quadro de paralisia e da bexiga neurogênica?
    Fico no aguardo da vossa atenção.
    Muito obrigado.

    Arnaldo

    • Olá Arnaldo!
      Não tenho conhecimento de novas descobertas nessa área que possam lhe ajudar.
      Recomendo que você procure um urologista, por tratarem do assunto é mais fácil que eles tenham conhecimento sobre alguma pesquisa que esteja em andamento.
      Sinto não poder lhe ajudar.
      Saúde!

  23. Olá amigos.
    Me chamo Maiquel Costa nascido no dia 19/12/1983 morador da cidade de Gravatai no Rio Grande do Sul.
    Tive a iniciativa de criar este BLOG para que possamos entender um pouco sobre a Síndrome da Cauda Equina e auxiliar a todos como proporcionar um pouco de conforto as pessoas que se encontram nesta situação !!!!
    Desde 2007 vinha tendo dores lombares, seguidas de fisgadas no glúteo direito que se estendiam para a perna. Fiz diversos tratamentos para conter as dores, medicamentos, fisioterapias, musculação, RPG enfim de tudo que pode existir em tratamento para dores na coluna vertebral. Resumindo desgaste das vertebras acarretando duas hérnias discais. Quando não tinha mais como conter as dores na coluna, que me impossibilitavam de exercer as minhas funções laborátivas decidi optar pela cirurgia de descompressão por artrodese.
    Veja bem, no dia 28/10/2011 entrei no bloco cirurgico para a retirada de duas hérnias discais na região lombar nos niveis de L4-L5-S1, me encontrava em plena forma fisica,1,77 de alt e pesando 75 kg e porte fisico atlético. Após o ato cirurgico comecei a apresentar os sintomas da Sindrome da Cauda Equina, permaneci com os sintomas até o 3° dia de pós operatório quando meu médico resolveu fazer um exame de Tomografia computadorizada que apresentou um hematoma na região da artrodese, esse hematoma estava comprimindo as terminações nervosas da cauda equina. Fui levado ao bloco cirurgico em carater de emergência para drenagem do hematoma e descompressão. Feito esse procedimento, passei dez dias internado. Hoje em dia mantenho os sintomas da Sindrome da Cauda Equina, sendo que tive muitas melhoras neste quase um ano de pós operatório.
    Agora com essa iniciativa do Blog estarei passando tempo ao tempo tudo que fiz e ainda faço até hoje para superar esse grande obstáculo e também contando a história de pessoas que conheci que também assim como eu estão passando por isso. Estarei passando também histórias de parentes, amigos e etc… das pessoas que assim estão, mostrando a visão de quem está vivendo o problema de fora, de forma secundaria.
    Desde já agradeço a todos que estão participando deste projeto e desejo a todos uma boa leitura e um ótimo aproveitamento.
    Contatos: MSN e e-mail maiquel_costa@hotmail.com
    Facebook: maiquel.costa.3@facebook.com

    Grato, Maiquel Costa

  24. ola sou Nuno pimentel sofri um assalto e acabei machucando a c5,c6, a dois anos como cadeirante , ja comessa o movimento dos membros superiores,procuro ajuda informativa ou consultiva.
    cell +258 824013529
    aguardo

    • Olá Nuno!
      Que bom saber que seus movimentos já estão voltando.
      Não sei de onde você é para poder tentar te indicar alguém, mas não deixe de fazer reabilitação, ela vai te ajudar a se recuperar mais rápido.
      Nas universidades que tem o curso de terapia ocupacional também tem clínica para atendimento à população por um preço bem acessível.
      Saúde!

      • ola Eliana vivo em mozambiqe.e tento fazer o maximo que a por ca.procuro ter mas dependencia das coisas etc.obrigado pelo sinal
        ,

      • ola,vou indo bem g. a deus fazendo fisioterapia mais regular,,desde o acidente que uso algaria e tem me fazendo pasar mal. procuro uma referencia de um urologista para me ajudar .
        aguardo resp

  25. ola aconteceu negocio comigo que meu lombar subiu alteração de abadome , dis o neurologista que alguma bactéria atacou minha medula lombar inflamo n sei direito , mais eu recuperei os movimento das perna ando normal em um 1 mes recuperei a força , so que do peito pra baixo sensibilidade , temperatura ta baixa ainda tipo se belisca eu sinto mais n sinto dor alguém da uma dica como melhorar mais rápido sensibilidade ?

  26. Bom dia!!!!!!eu tenho um irmao que sofreu uma agressao com arma branca na area do pescoço.teve uma lesao parcial na medula cervical.e ficou tetraplegico.gostaria de saber quais sao as chances que ele tem de voltar a andar?

  27. ola Dra sou o nuno pimeentel,vou indo bem g. a deus fazendo fisioterapia mais regular,,desde o acidente que uso algaria e tem me fazendo pasar mal. procuro uma referencia de um urologista para me ajudar .
    aguardo resp

  28. ola tive acidente a 4 anos ferro construçao entrou no meu pescoço lezao e c8-t1 cito fazer xixi tenho ereçao mas nao ejaculo tem soluçao para ese caso

  29. Sofri um acidente motociclistico dia 311\13 fraturei a C7 minhas pernas tem reflexo e estou conseguindo mexer um pouco a esquerda

  30. Ola me chamo Luciano Alves e há 7 anos sofri um acidente de carro fraturei a T12 , o diagnóstico mostrou uma pressão muito grande na medula óssea, operei e me recuperei muito bem com a ajuda da fisioterapia incluindo hidroterapia, mas até hj não consigo caminhar sem o apoio de uma bengala pois falta me equilibrio, meus pés não tem movimento, é defidi a isso que não consigo encontrar equilibrio para andar sem apoio de bengala???

  31. Boa noite fui operado a uma hérnia á cirvical á cerca de 6 anos que estava alojada junto á medula,acontece que dai para a frente ,tenho perdido a vontade sexual assim como a finalização do ato sexual,não conseguindo acabar,a relação será derivado a esta cirurgia,sem mais os meus sinceros e cordiais cumprimentos

  32. Olá venho aqui compartilhar uma dor que todos aqui passam ou passaram pela mesma ,minha namorada sofreu uma lesao com fratura na c6 e c7 em um acidente de carro a 6 dias a tras se encontra em pôs cirúrgico da coluna ela só mexe o braço direito e nao mexe os dedos gostaria de saber se o quadro dela e definitivo ? Muito obrigado desde já

    • Olá Caio!
      Você já deve ter descoberto que o quadro de sua namorada não era definitivo.
      Não dá pra dizer exatamente como a pessoa ficará logo depois da cirurgia, isso porque está no quadro de inflamação, terá que fazer reabilitação…Espero que ela esteja bem melhor agora.

  33. E gostaria de saber sobre esse tratamento com células tronco se so existe na Bahia ? Mais informações se possível

    http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2013/01/implante-de-celula-tronco-melhora-vida-de-pacientes-com-lesoes-na-coluna.html

  34. Alguém sabe um modo de controlar a espasticidade?
    Se alguém souber me diga

  35. Minha lesao e c5 so falta afirma mas o tronco e uma perna eu sinto quando passo a mao,mas nao sinto mas nada ,alguem pode me ajudar

  36. Eu sofri um acidente ha 12 anos atras tenho uma lesão na c6 e c7 não ando e dependo de terceiro para as atividades diarias, quando estou deitado consigo fazer muita coisa no pc,existe um tratamento especifico para esse tipo de trauma. sem mais ; agradeçoo

    • Netho, você pergunta se existe tratamento para lhe auxiliar a desenvolver suas atividades diárias de forma independente?
      Existem muitas adaptações para lhe auxiliar a ser o menos dependente possível.
      Para isso você vai precisar de uma Terapeuta Ocupacional, ela poderá avaliar suas necessidades e lhe indicar, confeccionar…a adaptação mais adequada a você.

  37. Eu sofri um assalto em 2011 e levei dois disparos de arma de fogo um foi no pescoço mas fiz uma cirurgia e fiquei bom o outro foi no abdomen perfurou meu intistino e uma artéria e alojou no osso sacro fiz tratamento fisio-terapia e ainda sinto uma dormencia na parte interna da coxa e nadegas direita e muita dor na parte interna da coxa e nadega esquerda sinto essa dor dia e noite oque posso faser pr ela diminuir essa dor cada vez que vou no medico ele me receita um remédio diferente e não adianta nada o único que fez um pouco de efeito foi um que se chama tylex mais depois de um tempo o medico mandou eu cortar ele por causa dele ter uma porcentagem de morfina por favor podem me ajudar com algum conselho obrigado .

  38. Eliania, voce sabe me dizer se a lesão T12 tem vida sexual ativa? A medula foi apenas queimada pelo vapor de uma bala de fogo. Boa noite.

  39. Eliania eu gostaria de saber se uma lesão na regiao T12 tem vida sexual ativa, a medula foi queimada pelo vapor de uma bala de fogo.

  40. olaa , tenho algumas duvidas nao entendo o assunto a um mes meu namorado sofreu lesao medular causada por arma branca q atingiu T1 e T2 ele nao sente vontade de fazer as necessidades fisiologicas omedico que acompanhou informou que nao seria caso de cirurgia , ele sente choques nas pernas mas nao consegue movimenta-las sente o toque nas pernas mas nao dor , a lesao dele e completa? teria chances de voltar a andar ?
    te agradeço mto desde ja ,

  41. ola, meu nome é ELAINE , faz 40 dias que meu irmao sofreu um acidente de mergulho e teve uma lesao na c5, no laudo esta que houve uma esplosao medular na c5, ele foi operado, depois de 5 dias de acidentado, ficou no hospital 10 dias e teve alta, hoje ele ja esta em casa, esta se recuperando bem e ja tem encaminhamento para reabilitacao em outro estado, a duvida nossa é que ele sente muita caibra, formigamento e dor no corpo todo, e diz que o corpo esquenta muito, como pode alguem que nao sente beliscar a perna, sentir esquentar ou formigar? ele meche os ombros e meche o braço esquerdo e um pouco do direito e tambem um pouco as maos, e muito reflexo nas pernas, muita contracao, mas ele nao sente.

  42. Boa noite Eliania!

    Primeiramente parabéns pelo Blog!

    Um amigo meu veio a sofrer (a mais ou menos um mês) um acidente automobilistico. Sofreu lesão na C6-C7 ele possui movimentos nos dois braços (cotovelo) e uma certa sensibilidade nos dedoes. Porem ele não consegue fazer os movimentos sozinhos, precisa sempre de um apoio. Mais consigo sentir seus movimentos.. O que eu posso esperar de um caso como esse?

    Obrigado.

  43. Boa Tarde, me chamo Bruno Oliveira e sou do Rio de Janeiro, gostaria de saber seu e-mail para retirar algumas dúvidas, pois a filha de um grande amigo de apenas 02 anos de idade foi diagnosticada com AVM acidente vascular medular, e segundo os médicos ela não terá mais movimentos do pescoso para baixo. Estarei me informando do caso dela junto com a família, e se possível lhe enviar um e-mail com o laudo. Meu e-mail é: ad.vn@hotmail.com. Aguardo breve retorno

  44. Olá! Boa noite! Sou Terapeuta Ocupacional e estou atendendo um paciente com lesão medular na C4 -por arma de fogo-bala alojada.diagnósticado com tetraplegia flácida .presença de escaras;uso de colar cervical ;se posiciona em 90° mas com hipotensão postural (complicador). queixa de dor nos ombros e art do cotovelo;hipersensibilidade. realiza aduçã de ombro ,abdução em grau 3, flexão de cotovelo -gravidade eliminada grau 2,flexores e extensores de dedo e extensor de punho -grau 0. toque leve – grau o na face dorsal e ventral da mão- ”ausência sensorial”. Estou dúvida quanto ao tipo de òrtese pois já esta a 5 meses sem previnir ..punho fletindo . em relação a estimulação sensorial ; e prescrição de cadeiras de rodas,pois o mesmo esta fazendo uso da padrão ,sem apoio . Gostaria muito que me ajudasse pois me sinto insegura em relação ao plano de tratamento visto que é um caso complexo ,que exige cuidados maiores.
    Desde já agradeço e parabéns pelo trabalho.

  45. terapia ocupasonal ea melhor sou tetra lesâo encopleta coseguie andar com tutor andador c5 c8 c1 lesão.muita fisoterapia,musculasão.tenter não percam esperamsa

  46. Olá
    Minha irmã (17) anos teve uma pequena queda durante um mergulho dentro da água, onde sentiu uma forte dor na coluna, porem no dia nada aconteceu.
    Só que depois de dois meses ela teve cervicalgia e lombalgia com paralisia temporária, onde ficou internada durante 13 dias já faz dois meses. Ela voltou andar com dificuldade sente dores recentemente e não temos nenhum diagnóstico. Devemos associar esse acontecimento com a queda?

  47. Boa noite.. meu marido sofreu um acidente de carro,fraturou c5 c6 c7 a um mes. Ele meche os braços sente o dedo do pé,o tornozelo,a barriga da perna e de vez enquando os orgão genitais e uma parte da nadega. Ele nao sente da barriga para baixo. Ele pode voltar a andar? Agradeço desde ja.

    • Priscila
      Não tenho como lhe responder essa pergunta.
      Talvez ande, talvez não. Você tem que conversar com a equipe que faz o acompanhamento dele.
      E tenho que lhe falar, você precisa se preparar para as duas possibilidades.
      Mas não se desespere, faça o que a equipe lhe recomendar, exercícios, reabilitação…e mantenha sempre a esperança, a fé…
      Espero que vocês fiquem bem.

  48. olá,tudo bem?
    meu nome é Marcelo,a um ano fiz uma cirurgia para retirada de um emágioma,tumor rak intramedular na cervical c1c2.esse tumor me causou perca de força e de sensibilidade nas mãos braços e pernas.após a cirurgia continuo sem força e com sensibilidade quase zero nos braços e nas mão e com os ombros braços e mãos dormentes e muito pesados,não consigo fazer praticamente nada,pois não tenho mais a coordenação motora como antes..
    Você já teve algum caso assim? E o que tenho que fazer para obter algum resultado.

  49. olá Eliania diante dessa situação que descrevi no assunto ai a cima o inss está me mandando para reabilitação proficional você acha que tenho condições de me reabilitar ao trabalho nessas condições que me encontro,sendo que minha profissão é montador eletro mecânico e mecânico de manutenção industrial.sem sensibilidade e sem forças vai ser dificil. OBRIGADO PELA ATERNÇÃO.
    Marcelo.

  50. Boa noite!
    gostaria de saber se espasmo muscular nos membros inferiores apos lesao lombar e um bom sinal???
    obrigada !

  51. Olá boa tarde!!

    Meu irmão em 2012 sofreu uma queda de cavalo, houve uma fratura na L1 com comprometimento medular, passou por cirurgia e foi colocado parafusos metálicos nas vértebras T12 e L2 com intuito de promover estabilização desta região. Após alguns meses da cirurgia apresentou ereção sem sensibilidade, evacuação não sente nada, a perna esquerda consegue fazer poucos impulsos, enquanto a direita só sente muita dor.
    O tratamento terapêutico onde ele mora é limitado a 2x por semana apenas e os equipamentos são fracos para esta cidadezinha.
    Gostaria de uma orientação a respeito da probabilidade de voltar aos movimento, mesmo que limitados, pois para ele já seria um grande avanço.

    Desde já agradeço a atenção.

  52. Olá boa tarde!!

    Meu irmão em 2012 sofreu uma queda de cavalo, houve uma fratura na L1 com comprometimento medular, passou por cirurgia e foi colocado parafusos metálicos nas vértebras T12 e L2 com intuito de promover estabilização desta região. Após alguns meses da cirurgia apresentou ereção sem sensibilidade, evacuação não sente nada, a perna esquerda consegue fazer poucos impulsos, enquanto a direita só sente muita dor.
    O tratamento terapêutico onde ele mora é limitado a 2x por semana apenas e os equipamentos são fracos para esta cidadezinha.
    Gostaria de uma orientação a respeito da probabilidade de voltar aos movimento, mesmo que limitados, pois para ele já seria um grande avanço.

    Desde já agradeço a atenção.

  53. Boa tarde doutora Eliania da silva , parabens pl seu trabalho.
    Chamo me sandra e sou de mocambique, emuu sobrinho filho unico teve um acidente de automovel e fraturou a c6 e c7, faz um mes do acidente a 23 de setembro.ele foi operado 2 dias dias depois do acidente por um neurocirurgiao para colocar as vertebras no lugar e sei que ha lesao mexe medular. ele mexe os bracos um pouco descordenadamente e a cabeca. as maos ainda nao mexe nem as pernas. gostaria que me explicasse se ele vai voltar a andar e se tem uma lesao medular completa?
    Tamos um pouco perdidos. obgda

  54. Cara dra.Silvia, seu artigos muito esclarecedor e me permitiu saber um pouco melhor o meu caso.tive compressão medular na c2 e c3 e fui operada de urgência na sta.casa de são paulo em 17/05/14. Antes da cirurgia minhas pernas paralisaram. Apos cirurgia comecei fisio. Consigo mexer as pernas – flexão e extensão – o quadril também, e voltei a sentir estimulo para urina e fezes (mas ainda uso fralda pois não ando). A fisioterapia estava indo super bem quando, mais ou menos, em final de julho, apresentou-se uma espasticidade muito forte, que me obrigou a fazer bem menos progressos com a fisio. O neurologista, no retorno, me receitou baclofeno – só que não resolveu nada: os espasmos continuam e tao fortes, que me cortam a respiração… tenho retorno em 16/10 e estou um pouco desmotivada, pois parece que estou perdendo um tempo muito precioso em reabilitação, enquanto ele não acertar um remédio eficiente para esta espasticidade. A sra. Poderia me dizer algo? Sera que vou ter que recorrer a injeções de toxina botulínica? Muito obrigada pela atenção desde já! Selenedonata@yahoo.com.br

    • Selene, não é perda de tempo a reabilitação, se você não estivesse fazendo talvez estivesse muito pior agora.
      Algumas vezes a reabilitação não trata mas impede o agravamento.
      Não pare, tenha esperança e paciência.
      Infelizmente não tenho como te ajudar e sei que os medicamentos também são tentativas, alguns servem bem para um paciente e para outros não.
      Sobre a toxina, seu médico quem vai dizer se você vai precisar, se será o melhor para você.
      O que você pode fazer, se não está contente é procurar outro profissional pois um pode usar alguma técnica diferente do outro.
      Desejo melhoras para você.

  55. Perdão, errei o nome da sra. Não sei como escrevi Silvia… o meu comentário e para a dra. Eliania, pardon!

  56. Ola ba noit , meu primo foi alvejado com uma bala de arma de fogo e atingiu a T2 , e ela esta inchada , os médico falaram que ela tem que desinchar para saber se volta ou nao a andar , mais ja se passaram 5 anos e esta do mesmo jeito , queria saber se tem alguma forma dela desinchar ou se nao desincha mais ! Obrigado

  57. Tenho um amigo que ficou tretapegico a uns 2 anos atras porque levou um tiro e pelo que eu sei apenas esquentou um nervo dele gostaria de saber o seguinte quais sao as chances de ele voltar a andar ele tem alguns movimentos como nos braços as maos senti um pouco da barriga para cima obrigado

  58. Boa tarde . Eu sofri um acidente de moto e sofri uma lesão Na vertebra t7. Pois tenho meus movimento das braços normais, tenho dificuldade de mexer três dedos da mão, minha pernas mexo ben só os movimento de dentro para fora que são difíceis para faze. Consigo me manter en pé, pois jah fais cinco mezes isso, tenhu em min que um dia vltarei a caminhar.. Pq nesse cinco messes melhores bastant por que eu não abria nem as mãos e muito menos as pernas. Bom se que e difícil de me daren uma resposta . de anti do que eu escrevi. !! Mas agradeço se me deixarem uma resposta se ainda e possível eu voltar a andar ?? Obrigado!!!

  59. Meu nome é alana moro em iguatu no dia 8de maio desse ano meu esposo sofreu um acidente de moto e teve lesao cervical c7 t1 consegui colocar ele no hospital sahar kubicheq em fortaleza e la o médico disse que a lesão dele foi incompleta pois ele tem sensibilidade tem controle de urina sentir quando que fazer as necessidades ai agora voltei pra consulta final no sahar e o médico fez um relatório para o médico que fez a cirurgia dele pois ele acho que nao estava bem feita para ele começar um processo de reabilitação ai fui uma consulta com o médico que fez a cirurgia dele ai ele viu a tomografia que foi feita la no sahar kubicheq e disse ao meu marido que ele ia ter que fazer outra cirurgia pois o material que foi colocado nao foi bom e veio a romper de novo a vértebra o que vc mim diz dessa situação.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 40 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: